Contas Regionais, 2016, INE

Página criada: Sexta-feira, 15 Dezembro 2017 11:40GMT | Atualizada: Sexta-feira, 15 Dezembro 2017 12:07GMT

Comunicado de Imprensa:  15 dezembro 2017 - 1 Página(s)
Palavras-Chave:
GVA @pt-pt  PIB   Regions

De acordo com os resultados provisórios de 2016, todas as regiões registaram crescimento real do PIB. O Algarve (2,6%), o Norte (1,9%), o Centro (1,8%) e a Região Autónoma dos Açores (1,6%) apresentaram variações reais superiores à média nacional, enquanto a Área Metropolitana de Lisboa (1,2%), a Região Autónoma da Madeira (0,9%) e o Alentejo (0,5%) registaram crescimentos menores que o país.
A análise da convergência económica das regiões NUTS III, revela uma diminuição das disparidades regionais no período de 2000 a 2015, com as regiões mais pobres a apresentarem taxas de crescimento do PIB per capita e da produtividade muito superior à média do país.
As assimetrias do PIB per capita avaliado em PPC face à média europeia (EU28) entre a região portuguesa mais rica e a mais pobre, diminuíram cerca de 10 p.p, de 75,2% em 2000 para 65,1% em 2015.
De acordo com a metodologia shift-share dinâmica de decomposição territorial do crescimento do VAB, o fator competitividade foi fundamental para as regiões com maior crescimento no período 2000 a 2015. Com efeito, o Cávado (1,4%), o Baixo Alentejo (1,3%) e a Região Autónoma dos Açores (1,2%) apresentam os maiores índices do fator competitividade e, com exceção dos Açores, os piores índices do fator estrutural.



Título original:  https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=281443351&DESTAQUESmodo=2&xlang=pt