EDP Resultados, 9M 2017

Página criada: Sexta-feira, 3 Novembro 2017 11:07GMT | Atualizada: Sexta-feira, 3 Novembro 2017 11:19GMT

Comunicado de Imprensa:  03 novembro 2017 - 31 Página(s)
Palavras-Chave:
EDP   Resultados 2017  Resultados 3T  Resultados 9M  Resultados Financeiros

O EBITDA consolidado ascendeu a €3.269M nos 9M17,+13% em termos homólogos. Ajustado dos ganhos não
recorrentes (+€61M nos 9M16 e +€558M nos 9M17); detalhe na pág. 3), o EBITDA caiu 4% face aos 9M16, devido à
contribuição da queda de 20% em termos homólogos do EBITDA para €1.256M nos 9M17 no mercado Ibérico
motivada pela escassa hidraulicidade (43% abaixo da média de longo prazo), especialmente quando comparada com
um 9M16 muito húmido (hidraulicidade 66% acima da média histórica) e pela exclusão de consolidação da Naturgas
Electricidad Distribuición (‘NED’) resultante da sua venda no final de Jul-17. A performance do mercado Ibérico foi
parcialmente compensada pelos seguintes fatores: i) aumento de 17% em termos homólogos da contribuição da EDP
Renováveis (‘EDPR’) para o EBITDA ajustado, suportado pela expansão de portfólio (+8% em termos médios) e pelo
acréscimo de proveitos com Parcerias Institucionais; e ii) aumento de 13% em termos homólogos do contributo da
EDP Brasil (‘EDPB’) para o EBITDA ajustado, essencialmente suportado pelo efeito cambial favorável, resultante da
apreciação do BRL vs. Euro em 12%.

A capacidade instalada do Grupo EDP subiu 8% em termos homólogos, para 26,5GW em Set-17, impulsionado pela adição de nova capacidade hídrica em Portugal (+977MW), eólica e solar (+939MW, essencialmente nos EUA e
México). O portfólio de contratos com clientes cresceu 1%, para 11,4M em Set-17.

Os custos operacionais subiram €46M, para €1.207M nos 9M17, suportado pelo efeito cambial (+€36M) e pela
expansão de portfólio (+6% em termos médios). Excluindo o impacto cambial, importa destacar, por área de negócio
e em termos homólogos: (i) na P. Ibérica, uma queda de 1% nos custos reflexo de um apertado controlo de custos;
(ii) na EDPR, uma queda de 2% do rácio Core OPEX/MW médio instalado; (iii) na EDP Brasil, uma subida de custos em 3,5%, em linha com a inflação local. Os outros custos/(receitas) operacionais líquidos passaram de um custo de
€210M nos 9M16, para um ganho de €353M no 9M17, especialmente influenciados pela mais valia registada na
venda da NED. Os custos regulatórios (clawback, tarifa social, CESE, impostos à geração em Espanha) suportados
ascenderam a €229M nos 9M17 (+26% em termos homólogos).

O EBIT subiu 23% em termos homólogos, para €2.213M nos 9M17. Os resultados financeiros líquidos e resultados
com JVs e associadas ascenderam a -€582M nos 9M17, uma melhoria de €56M face aos 9M16, suportados por uma
descida de 13% dos juros líquidos suportados, decorrente da queda de 40pb no custo médio da dívida (para 4,1% nos
9M17) e da queda da dívida líquida média (-€0,7MM face ao 9M16). Os interesses não controláveis ascenderam a
€239M no 9M17, reflexo do acréscimo decorrente da venda de posições minoritárias em parques eólicos nos últimos
12 meses e do acréscimo de resultados líquido da EDPR. Em suma, o resultado líquido da EDP atingiu €1.147M nos
9M17 (+86% em termos homólogos). Ajustado dos efeitos não recorrentes (-€46M nos 9M16 e +€514M nos 9M17;
detalhes na pág. 4), o resultado líquido recuou 4% em termos homólogos, de €661M nos 9M16 para €633M nos
9M17.

A dívida líquida caiu de €15,9MM em Dez-16 para €15,1MM a Set-17, reflectindo essencialmente: i) free cash flow
orgânico recorrente no valor de €1,0MM; ii) pagamento anual de dividendos (+€0,7MM); iii) encaixe líquido de
€1,0MM resultante de investimento em expansão e items relacionados; líquido de aquisições e vendas de activos
(+€2,2MM na venda da NED, -€0,3MM na compra de uma participação adicional de 5% na EDPR); e iv) aumento em €0,4MM de activos regulatórios, reflexo de um ritmo mais lento na venda destes activos.



Título original:  9M17 Resultados

Documento(s) Relacionado(s)

04 novembro 2016
LER