Rendimento e Condições de Vida, 2017 (2ª Estimativa), INE

Página criada: Terça-feira, 8 Maio 2018 11:56GMT | Atualizada: Sexta-feira, 11 Maio 2018 11:39GMT

Comunicado de Imprensa:  08 maio 2018 - 15 Página(s)
Palavras-Chave:
Educação   Emprego  Jovens  PIB   Rendimentos

De acordo com os resultados definitivos do Inquérito às Condições de Vida e Rendimento, em 2017 9,3% das pessoas viviam com insuficiência de espaço habitacional e a proporção de pessoas afetadas por condições severas de privação habitacional foi de 4,0%, menos 1 ponto percentual (p.p.) e 0,9 p.p. que no ano anterior.
Foi também positiva a evolução da taxa de sobrecarga das despesas em habitação, que atingiu 6,7% da população em 2017 (menos 0,8 p.p. que em 2016).
Os resultados definitivos do Inquérito às Condições de Vida e Rendimento (EU-SILC) indicam ainda que o rendimento monetário disponível mediano por adulto equivalente foi, em termos nominais, de 9 071 euros em 2016, que corresponde a um limiar de pobreza de 5 443 euros. Estes resultados confirmam a taxa de risco de pobreza de 18,3% em 2016, bem como a taxa de risco de pobreza ou exclusão social de 23,3%, divulgadas em novembro de 2017.
O rendimento monetário disponível médio por agregado familiar foi de 18 396 euros anuais em 2016, mais 2,4% que no ano anterior e mais 8,6% que o valor mínimo da série registado em 2013, mas ainda inferior ao valor de 2009.



Título original:  Reduziu-se a população que vive com sobrecarga de despesas em habitação

Documento(s) Relacionado(s)