Notícias

ANA vai lançar novo plano de incentivos para as companhias aéreas

Página criada: Quinta-feira, 2 Outubro 2014 9:03 GMT

Temática
Palavras-Chave:
ANA  Companhias Aéreas  Incentivos

A ANA-Aeroportos de Portugal prepara-se para lançar em breve um novo plano de incentivos destinado às companhias aéreas e a captar novas rotas, indicou hoje o presidente da empresa, Jorge Ponce de Leão.

Este novo plano vai abranger todos os aeroportos, com “adaptações específicas” a cada uma das infraestruturas, e irá acrescentar algumas alterações ao plano atualmente já existente em parceria com o Turismo de Portugal, explicou Ponce de Leão durante uma conferência de imprensa em Lisboa, realizada para assinalar o primeiro ano de gestão da ANA pela Vinci Airports.

“Em termos de longo prazo, cerca de 4% das receitas da ANA são destinadas a este esforço de marketing”, disse ainda Ponce de Leão, acrescentando que, devido a “alguns compromissos casuísticos vindos do passado, o esforço no curto prazo poderá ser superior”.

“Estamos progressivamente a substituir decisões casuísticas por decisões genéricas, destinadas a todas as companhias aéreas”, sublinhou.

O objetivo deste plano será “apoiar novas rotas mas também as já existentes, baseado na competitividade”, informou também o presidente da ANA, adiantando que em breve o novo sistema de incentivos será conhecido em pormenor.

Quanto às taxas aeroportuárias atualmente em vigor, e às críticas que têm sido feitas, Ponce de Leão afirmou que as novas regras substituem o modelo de regulação criado em 2009, “que nunca foi aplicado devido à sua complexidade”, por um modelo que limita as receitas da concessionária.

“Promove-se a eficiência, pois a empresa está obrigada a aumentar de acordo com a taxa de inflação, deduzida de um fator de eficiência”, referiu este responsável, lembrando que os valores cobrados pelos aeroportos só podem subir acima da inflação se o tráfego crescer substancialmente acima desse valor.

Por outro lado, prevê-se que as taxas sejam aplicadas “de acordo com a atratividade de cada destino”, o que permite que a recuperação dos custos seja ajustada em função desse critério, informou.

Ponce de Leão defendeu ainda que as taxas aeroportuárias estão atualmente em Lisboa 22,2% abaixo da média do grupo de aeroportos com os quais se compara o aeroporto português, enquanto em Madrid os valores ficam 78% acima dos valores praticados na Portela.

Ainda sobre as taxas, o secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, também presente na conferência de imprensa, afirmou que este modelo “não deixa encargos para as gerações futuras”.

O governante lembrou que o Estado deverá arrecadar entre 1% e 10% da receita aeroportuária da ANA entre os anos 11 e 50 da concessão.

O presidente da TAP mostrou-se hoje no parlamento preocupado com a “velocidade” de aumento das taxas aeroportuárias, que em dezembro irão aumentar, para as companhias aéreas, 7,56% no aeroporto de Lisboa e 1,50% no aeroporto do Porto, devido a uma subida de tráfego acima do previsto.

IYS(JNM) // CSJ