Notícias

Mapfre prevê investir até 40 milhões de euros em 5 anos

Página criada: Segunda-feira, 12 Maio 2014 17:08 GMT

Palavras-Chave:
IDE  Mapfre  Seguradoras

A Mapfre tenciona investir até 40 milhões de euros em Portugal nos próximos cinco anos, triplicando a rede dos atuais 40 balcões próprios para um total de 150, anunciou hoje a seguradora espanhola em comunicado.

Com esse objetivo, a empresa já deu início “a um processo de recrutamento de profissionais que se comprometam em exclusivo com a companhia”, através dos quais a seguradora prevê passar a cobrir todo o território, triplicando o número de balcões, e aumentar o número de clientes de 350 mil para 500 mil.

“Este é o momento para uma manifestação inequívoca de confiança no potencial do mercado em Portugal”, afirma António Belo, administrador-delegado da Mapfre, citado no comunicado, que chama a atenção para os sinais de recuperação da economia.

As micro, pequenas e médias empresas são o principal público alvo no mercado português, considerado pela Mapfre como estando ainda “mal explorado” pelas seguradoras. Em Espanha esta aposta “tem funcionado muito bem”, sublinha António Belo, para quem “não há ninguém a fazer isto em Portugal” e acha “que o modelo vai ter sucesso”.

A aposta recai também em segmentos de atividade “inovadores”, como os seguros de saúde e de previdência, para os quais a Mapfre indica que estabeleceu uma parceria com a Medis. Uma das possibilidades em estudo é a entrada nos seguros de saúde vitalícios, “dando resposta às necessidades dos consumidores preocupados com a redução das garantias até agora fornecidas pelo chamado ‘Estado social’”, indica a companhia.

Em relação à rede de profissionais, a empresa propõe-se avançar com “um modelo inovador”, proporcionando aos profissionais da rede remunerações fixas, comissões, instalações, meios tecnológicos e ainda investimentos publicitários.

A Mapfre indica também que foi a única seguradora internacional que não cresceu por aquisições e adianta que em 30 anos de operação em Portugal nunca registou prejuízos.

Em 2013, o volume de negócios registado foi de 147,5 milhões de euros, com lucros de 684 mil euros. Quanto ao crescimento global (ramos vida e não vida), situou-se em torno de 3%.

IYS// ATR