PIB cresce 2,8% no primeiro trimestre, o valor mais elevado dos últimos dez anos

Atualizada

Página criada: Quarta-feira, 14 Junho 2017 14:05 GMT | Atualizada: Sexta-feira, 16 Junho 2017 13:54 GMT

Palavras-Chave:
Atividade Turística  Desemprego   Exportações  Importações  Inflação  PIB

Inflação sobe para 2% em abril de 2017

No primeiro trimestre de 2017, a economia portuguesa cresceu 2,8% em termos homólogos, o valor mais elevado desde o quarto trimestre de 2007. Esta evolução resultou de um maior contributo da procura externa líquida e da subida do investimento. Também no primeiro trimestre, a taxa de desemprego voltou a descer, fixando-se nos 10,1%. Em abril, o Índice de Preços do Consumidor subiu 2%, o que significa um aumento de 0,6 pp face ao mês anterior.

O Produto Interno Bruto cresceu 2,8% no primeiro trimestre de 2017 em termos homólogos, o que corresponde a um aumento de 0,8 pp face ao crescimento homólogo do trimestre anterior. De acordo com a estimativa rápida do Instituto Nacional de Estatística, esta evolução resultou de um maior contributo da procura externa líquida, refletindo um aumento das exportações superior ao das importações. A procura interna manteve um elevado contributo positivo, tendo-se verificado um menor crescimento do consumo privado e uma subida do investimento.

O Índice de Preços no Consumidor (IPC) fixou-se em 2% em abril de 2017, o que corresponde a um aumento de 0,6 pp face ao mês anterior, devido a um aumento dos preços dos restaurantes, hotéis e transportes. O indicador de inflação subjacente, IPC excluindo produtos alimentares não transformados e produtos energéticos, teve uma variação homóloga de 1,7%. O Índice Harmonizado de Preços no Consumidor, que serve para comparar os preços entre os diferentes países da União Europeia, registou uma variação homóloga de 2,4%, superior ao registado na Zona Euro e na União Europeia, 1,9% e 2%, respetivamente.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística, a taxa de desemprego do primeiro trimestre de 2017 fixou-se nos 10,1%, o que corresponde a uma redução de 2,3 pp em termos homólogos. A população desempregada foi de 523 900 pessoas, o que significa uma redução de 116 300 pessoas em comparação com o mesmo período do ano anterior. A taxa de emprego subiu para 52,6%, refletindo um aumento homólogo da população empregada de 144 800 pessoas.

O Índice de Custo do Trabalho ajustado de dias úteis subiu, em termos homólogos, 2,6% no primeiro trimestre de 2017. No trimestre anterior, a variação homóloga fixou-se nos 0,6%. Esta evolução resulta de aumentos de 3% nos custos salariais e de 1,4% nos outros custos do trabalho.

O Indicador Coincidente Mensal do Banco de Portugal para a Atividade Económica voltou a aumentar em abril, tendo o Indicador para o Consumo Privado estabilizado. O Índice dos Indicadores Compósitos da OCDE voltou a cair para mínimos de 2013, ao apresentar o valor de 99,91, fixando-se assim pelo segundo mês consecutivo num valor abaixo de 100, o que poderá indiciar uma desaceleração da atividade económica nos próximos seis a nove meses.

A agência de notação financeira Moody’s divulgou as previsões económicas para Portugal, prevendo um crescimento do PIB de 1,7% para este ano e de 1,4% para 2018. A Moody’s prevê ainda que o défice orçamental seja de 2% em 2018 e que a dívida pública inicie uma trajetória decrescente fixando-se em torno dos 125% do PIB em 2020.

Sexta-Feira, 9 junho 2017 14:30

As exportações de bens tiveram o pior resultado em meio ano, registando um crescimento de apenas 0,4%. Ao mesmo tempo, as importações continuaram a ter um desempenho forte, avançando 10,8%. Depois de ter ajudado em Março, a...

Sexta-Feira, 9 junho 2017 10:20

O BCE reviu o crescimento em alta e a inflação em baixa, mas Draghi mostrou-se confiante que a retoma do PIB e dos preços continuará. Analistas esperam redução de compras de activos no início de 2018....

Quinta-Feira, 8 junho 2017 13:27

O Eurostat reviu em alta o crescimento da Zona Euro no primeiro trimestre para 0,6%. Portugal cresceu acima da média, conseguindo o quinto registo mais elevado....

Quarta-Feira, 7 junho 2017 16:23

O ministro das Finanças está mais optimista em relação ao desempenho da economia portuguesa. Centeno vê como mais provável que o cenário macroeconómico por si desenhado para o PS em 2015 possa ser uma realidade....